EXPRESSÃO de P63 e Δnp63 Como Potenciais Biomarcadores de Progressão Tumoral e Prognóstico em Carcinoma Epidermóide Oral

Nome: Isabella Bittencourt do Valle
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 23/04/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Sandra Ventorin von Zeidler (M/D) Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Breno Valentim Nogueira Examinador Interno
Fábio Daumas Nunes Examinador Externo
Sandra Ventorin von Zeidler (M/D) Orientador

Resumo: O prognóstico de pacientes com Carcinoma Epidermóide Oral (CEO) é majoritariamente desfavorável, principalmente devido à elevada taxa de recidiva e mortalidade. Até o momento, não existem marcadores biológicos clinicamente disponíveis que indiquem eventos de transformação tumoral ou prognóstico em CEO. Portanto, grande interesse tem sido direcionado aos genes reguladores do ciclo celular, como a participação da expressão gênica de P63 na oncogênese através da sua atividade na regulação da proliferação e diferenciação celular em CEO. Este trabalho teve como objetivo analisar a aplicabilidade de p63 como biomarcador de prognóstico e progressão tumoral. Realizou-se estudo multicêntrico internacional, no qual foram obtidas amostras biológicas, dados clínicos e seguimento clínico de 109 indivíduos com CEO provenientes do Brasil e Reino Unido. As lâminas histológicas obtidas foram avaliadas quanto à gradação tumoral, infiltrado linfocitário tumoral (TIL), padrão de invasão tumoral e invasão perineural, vascular e linfática. Tissue Microarray (TMA) foi construído considerando 3 áreas: epitélio adjacente ao tumor, displasia e tumor. Os TMAs foram submedidos à imunohistoquímica para análise de expressão de p63 e p40 (&#916;Np63) e hibridização in situ de RNA para investigar p63 mRNA. Para avaliar a expressão de p63 e p40 foi considerada a marcação nuclear em queratinócitos através de H-Score. A avaliação de p63 mRNA se deu por um guia de pontuação (score 0-4) conforme a quantidade de pontos em cada célula. O nível de significância considerado para todos os testes estatísticos foi de 95%. Teste Qui-Quadrado foi empregado para instituir associações entre as variáveis clinico-patológicas estudadas. A comparação entre a expressão da proteína p63, p40 e de p63 mRNA nas diferentes regiões foi realizada através do teste de Wilcoxon. Curvas de sobrevida global e sobrevida livre de doença foram obtidas pelo modelo de Kaplan-Meier e regressão de Cox. Nossos resultados mostraram associação entre a elevada presença de TIL no tumor com estadiamentos iniciais (p=0,001) enquanto tabagismo mostrou relação com menor TIL (p=0,044) e padrões de invasão tumoral dos tipos III e IV (p=0,032). Indivíduos etilistas/ex-etilistas apresentaram mais invasão vascular que os não etilistas (p=0,015). A expressão de p63 nos tumores foi maior que nas displasias (p=0,001) e foi associada a tumores maiores (T3 e T4) (p=0,001). Foi observada diferença quanto à expressão de p40 entre displasia e tumor (p<0,001) e
displasias de alto risco apresentaram alta expressão de p40 (p=0,022). A elevada expressão de p40 tumoral mostrou associação com tumores pouco diferenciados (p=0,010) e com invasão de vasos linfáticos (p=0,022). Não foi observada diferença de expressão de p63 mRNA entre as regiões estudadas. Indivíduos com estadios iniciais (p=0,001) e não tabagistas (p=0,035) tiveram maior sobrevida global. Mostraram pior sobrevida livre de doença indivíduos cujos padrões de invasão tumoral eram III e IV (p=0,014) e que apresentavam tumores maiores (p=0,004). Concluímos com este estudo que a expressão de p63, de p40, são úteis como marcadores de progressão tumoral, mas não comportam-se como bons marcadores de prognóstico uma vez que não mostraram influenciar os índices de sobrevida global e sobrevida livre de doença.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105