Biomarcadores de Progressão Tumoral em Carcinoma Epidermóide da Cavidade Bucal

Nome: Thabata Coeli Dias Damasceno
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 16/02/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Sandra Ventorin von Zeidler (M/D) Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Aline Carvalho Batista Examinador Externo
Greiciane Gaburro Paneto Examinador Interno
Sandra Ventorin von Zeidler (M/D) Orientador

Resumo: Atualmente têm-se a necessidade da implementação de abordagens terapêuticas específicas e individualizadas para os pacientes com carcinoma epidermóide (CE) da cavidade bucal, e a construção de painéis de biomarcadores de progressão tumoral e prognóstico. Células neoplásicas apresentam certa autonomia quanto a sua ativação, o que leva à superexpressão de ciclina D1 e redução do tempo de duração da fase G1, levando ao aumento da proliferação tumoral. Este trabalho teve por objetivo analisar a expressão da ciclina D1 em CE da cavidade bucal e sua aplicabilidade como biomarcador de progressão tumoral e prognóstico. Realizou-se um estudo analítico longitudinal com a inclusão de amostras biológicas, dados clínicos e de seguimento de 115 pacientes com CE da cavidade bucal. As lâminas histológicas confeccionadas e coradas pelo método de hematoxilina e eosina foram analisadas quanto à gradação tumoral, padrão de infiltrado linfocitário tumoral, padrão de invasão tumoral, invasão vascular, linfática e perineural. Realizou-se a validação das lâminas de tissue microarray (TMA) e a análise da expressão nuclear da ciclina D1 em células tumorais de CE da cavidade bucal (front e porção mediana), displasia e epitélio adjacente ao tumor, por meio da avaliação da lâmina de TMA corada pela técnica de imunohistoquímica foi categorizada em alta (> 140) e baixa (≤ 140). Para as associações entre as variáveis estudadas, o teste Qui- Quadrado e Exato de Fisher foram utilizados, sendo considerados significantes valores de p ≤ 0.05. As curvas de sobrevida foram calculadas através do modelo de Kaplan-Meier com índice de confiança igual a 95% ajustados pelo modelo de Regressão multivariado de Cox, com p ≤ 0, 2 (SG) e p ≤ 0, 1 (SLD). Nossos resultados mostraram correlação entre a alta contagem de TIL e as variáveis tamanho do tumor primário T1/T2 (p = 0,001) e estadiamento inicial I/II (p = 0,005); já a menor contagem de TIL foi associada ao tabagismo (p = 0,026). O padrão de invasão tumoral do tipo IV mostrou associação com tumores T3/T4 (p = 0,006) e estádios II/IV (p = 0,028). A invasão perineural mostrou correlação com tumores T1/T2 (p = 0,035). A superfície tumoral apresentou alta expressão de ciclina D1 em 49% dos casos, porém não foi observada significância com as variáveis analisadas. A redução da SG foi relacionada com o tamanho do tumor (p = 0,000) e o
acometimento linfonodal (p = 0,001), sendo confirmadas, pela análise multivariada (p
= 0,004; p = 0,066). A SLD exibiu associação com o hábito etilista (p = 0,048), fato comprovado pela análise multivariada (p = 0,078), em que indivíduos não etilistas recidivaram em menor tempo. Conclui-se com o estudo que a expressão da ciclina D1 não mostrou ser um bom marcador de progressão tumoral e prognóstico. Uma vez que, sua expressão está mais associada ao início da tumorigênese, e a maior ocorrência de estadiamento clínico avançado, neste estudo, explicaria a falta de correlação entre a expressão da proteína com as características clínico-patológicas.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105