Avaliação pós-transcricional do gene FLO1 no processo de floculação de Saccharomyces cerevisiae

Nome: Olga Vitoria Pereira Leão Barbosa
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 22/02/2016
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Patricia Machado Bueno Fernandes (M/D) Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alexandre Martins Costa Santos Examinador Interno
Antonio Alberto Ribeiro Fernandes Examinador Interno
Patricia Machado Bueno Fernandes (M/D) Orientador
ROGELIO LOPES BRANDAO Examinador Externo

Resumo: Saccharomyces cerevisiae foi o segundo organismo eucarionte a ter seu genoma completamente sequenciado e vem sendo utilizada há várias décadas como um modelo para estudos celulares e moleculares. Esta levedura é a responsável direta na transformação do açúcar em álcool etílico e dióxido de carbono, sendo um dos microrganismos mais utilizados nas indústrias de fermentação. A floculação é um fenômeno no qual as células de levedura se agrupam e sedimentam rapidamente a partir do meio onde estão suspensas. É um processo muito complexo e depende de numerosos fatores, tais como as características do meio (pH e a presença de cátions), as condições de fermentação (oxigenação, os açúcares, a temperatura de crescimento, a concentração de etanol) e a expressão dos genes da família FLO. A floculação ocorre pela interação de proteínas, as floculinas, e carboidratos (receptores) na parede celular das células vizinhas. Estudos anteriores demonstraram que tanto as cepas floculantes quanto as não-floculantes apresentaram expressão diferenciada dos genes da família FLO (FLO1, FLO8, FLO10 e FLO11) nas fases logarítmicas e estacionária de crescimento, demonstrando assim, que mesmo as cepas não floculantes induzem a expressão dos genes relacionados ao processo de floculação. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a tradução de um desses genes, FLO1, nível de produção da proteína Flo1 e sua localização subcelular. Os resultados obtidos demonstraram a expressão da proteína Flo1 na parede celular das cepas não floculantes BT0510, BT0601 e floculante BT0510 de S. cerevisiae. Os resultados obtidos contrariam dados da literatura que atribuem o fenótipo floculante à presença das proteínas Flo na parede celular e o perfil não floculante à ausência da floculina, demonstrando que outros fatores estão relacionados ao fenótipo de floculação. Desta forma, os resultados apresentados poderão contribuir para o melhor entendimento da floculação e consequentemente agregar melhorias aos processos fermentativos.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105