"Ação antimicrobiana do extrato de algas do gênero Ulva contra espécies de bactérias agentes de infecções hospitalares"

Nome: Victor de Paiva Dias Neves
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 27/05/2010
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Paula Ferreira Nunes Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Paula Ferreira Nunes Orientador
Eliezer Menezes Pereira Examinador Externo
Patricia Machado Bueno Fernandes (M/D) Examinador Interno

Resumo: Componentes bioativos presentes em algas marinhas podem apresentar novas moléculas na descoberta de novos antimicrobianos. O extrato a base de diclorometano e metanol de algas do gênero Ulva mostrou propriedades antimicrobianas frente a espécies bacterianas causadores de infecção hospitalar. Três diferentes linhas de experimentos foram conduzidas neste estudo com a mistura de algas do gênero Ulva (1º lote) e duas espécies, a Ulva lactuca (2º lote) e Ulva fasciata (3º lote). Todas as coletas foram realizadas na Praia dos Desejos, Vitória, ES. As algas do 1º lote foram testadas pelo método de diluição em caldo e demonstraram uma ação bactericida contra diferentes cepas de bactérias Gram-positivas (Staphylococcus e Enterococcus) em concentrações inferiores a 25 mg/ml, enquanto que as bactérias gram-negativas (Klebsiela pneumoniae, Pseudomona aeruginosa e Escherichia coli) foram capazes de crescer na concentração de 25 mg/ml. Três amostras de Staphylococcus aureus (ATCC 25923, ATCC 33591 e ATCC 700699) foram selecionadas para melhor avaliação da ação antimicrobiana dos três lotes de algas. Os extratos do 1º lote foram submetidos a uma cromatografia em coluna com sílica gel (70-230Mesh) e dois sistemas de solventes foram avaliados: hexano (Hex) e acetato de etila (EtOAc) e clorofórmio (ClO) e metanol (MeOH). As frações cromatografadas pelo sistema ClO:MeOH (9 ClO:1 MeOH, 5 ClO:1 MeOH, 1 ClO:1 MeOH, 0 ClO:1 MeOH) foram as que apresentaram melhor ação antimicrobiana frente as amostras de S. aureus. Dentre as analises quantitativas, o 1º lote demonstrou atividade antimicrobiana significativa nas frações 9/1, 5/1 e 0/1, com atividade bactericida (redução de  3 log de UFC/ml) observada para as duas concentrações testadas (16 e 33 mg/ml). Para o 2º lote a fração 5/1 foi a que apresentou maior atividade bactericida em 33mg/ml, enquanto que para o 3º lote, foi a 9/1. Os resultados obtidos demonstram que o gênero Ulva e principalmente a Ulva fasciata e Ulva lactuca são fontes de compostos bioativos. Algumas frações apresentaram atividade antimicrobiana maior nas cepas resistentes à oxacilina (ATCC 33591) e com resistência intermediaria a vancomicina (ATCC 700699) comparada a cepa sensível à oxacilina (ATCC 25923).

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105