SENSORIAMENTO Óptico Aplicado à Descelularização
renal

Nome: Raquel Ahnert Aguiar Evangelista
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 14/12/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Breno Valentim Nogueira Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
AIRLANE PEREIRA ALENCAR Examinador Externo
Breno Valentim Nogueira Orientador
Teodiano Freire Bastos Filho Examinador Interno

Resumo: O rim é o órgão mais solicitado para transplantes no Brasil. Atualmente 68% dos
pacientes da lista de espera para transplante aguardam por este órgão. A técnica de
descelularização surgiu como uma alternativa promissora para o aumento da oferta e
diminuição das taxas de rejeição de transplantes. A concentração do DNA residual é
o principal parâmetro para atestar a qualidade do arcabouço descelularizado. No
entanto, trata-se de uma técnica invasiva e destrutiva. Com o intuito de possibilitar a
avaliação de órgãos em tempo real nas descelularizações sem danificá-los, Pereira et
al (2019) desenvolveram um sistema de monitoramento óptico composto por três
módulos (fonte luminosa, fotodetector e placa de prototipagem) acoplados a um
computador com programação própria. Este sistema registra o perfil óptico dos órgãos
na forma de gráficos de tensão (v.s-1). Nosso objetivo foi analisar os registros gráficos
produzidos pelo sensor após descelularizações renais, com intuito de relacioná-los à
qualidade final dos órgãos. Para isto utilizaram-se rins de ratos Wistar adultos com
massa média de 301,8 ± 44,6 g. As descelularizações ocorreram dentro do sistema
de sensoriamento óptico, e órgãos nativos e descelularizados foram separados para
análises de DNA, dosagem de hidroxiprolina e histologia. As curvas produzidas pelo
sensor, foram suavizadas para redução de ruído e ajustadas segundo modelo logístico
de regressão de quatro parâmetros (A1, A2, S e X0), descrito por Gadagkar e Call
(2000). A análise de DNA confirmou a remoção celular de 95%, e a dosagem de
hidroxiprolina confirmou a manutenção do colágeno tecidual. Os perfis ópticos
produzidos demonstraram seguir o padrão de curva em S, e o parâmetro X0 foi o que
obteve melhor correlação com o DNA residual (52%).

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105