FLUORESCÊNCIA da Clorofila a Como Indicador de Porta-enxertos de Manga ‘ubᒠMais Tolerantes ao Déficit Hídrico

Nome: Leonardo Faria Silva
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 13/02/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Diolina Moura Silva Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adriano Nunes Nesi Examinador Externo
Alexandre Martins Costa Santos Examinador Interno
Diolina Moura Silva Orientador
Jose Aires Ventura (M/D) Examinador Interno
Wagner Luiz Araujo Examinador Externo

Resumo: Visando selecionar os parâmetros fotoquímicos extraídos da cinética da fluorescência da clorofila a como sendo os mais simples, rápidos e eficientes para identificar precocemente o porta-enxerto mais vigoroso na formação de mudas da mangueira ‘Ubᒠtolerantes à seca, foi utilizado, como copa, o clone de Mangifera indica L cv. Ubá chamado ‘Ubá clone 2’ (UC2) e, como porta-enxerto, as mudas seminais de mangueira “Óleo”, ‘Ubᒠe “Imbú”. Inicialmente, foram analisados os porta-enxertos e suas respectivas combinações copa/porta-enxerto: UC2/Óleo, UC2/Ubá e UC2/Imbú. Em seguida, as plantas foram separadas em três grupos: C0, nenhum ciclo de seca; C1, um ciclo de seca e C3, três ciclos de seca. Cada ciclo conteve 20 dias de déficit hídrico seguidos por 10 dias de retorno da irrigação. Posteriormente, foi aplicado um déficit hídrico de 35 dias em todos os grupos, mantendo uma parte em plena irrigação. Os parâmetros selecionados foram: F2 (relativo à presença da banda L, referente à desconectividade energética das subunidades do FSII), F3 (relativo à presença da banda K, referente ao desequilíbrio entre o fluxo de elétrons do Complexo de Evolução do Oxigênio para o centro de reação do FSII), DI0/RC (energia total dissipada por centro de reação ativo), PIABS (índice de desempenho potencial do FSII), PITOTAL (índice de desempenho fotoquímico total). O porta-enxerto “Óleo” foi o que gerou mudas de manga ‘Ubᒠmais vigorosas e tolerantes a seca quando expostas ao déficit hídrico uma única vez. No entanto, essa tolerância diminuiu quando as plantas foram submetidas a secas recorrentes, perdendo a capacidade de se recuperar após o terceiro déficit hídrico consecutivo. Ao final, foi possível concluir que a indução de tolerância à seca por meio da aclimatação diferencial é dependente do porta-enxerto utilizado; e confirmar o uso da fluorescência da clorofila a como indicador de portaenxertos de manga ‘Ubᒠmais tolerantes ao déficit hídrico.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105