INFLUÊNCIA DE POLIMORFISMOS DOS GENES GCK, TCF7L2 E LEPR MATERNOS NO PESO DO BEBÊ: UMA CORRELAÇÃO CLÍNICA E MOLECULAR

Nome: Lyvia Neves Rebello Alves
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 20/04/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Iuri Drummond Louro (M/D) Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Debora Dummer Meira Examinador Interno
Elizeu Fagundes de Carvalho Examinador Externo
Iuri Drummond Louro (M/D) Orientador

Resumo: O peso ao nascer é a principal causa de morbidade e mortalidade neonatal e um importante indicador de saúde pública. Além disso, o peso do recém-nascido pode trazer implicações para a saúde do indivíduo ao longo de sua vida, uma vez que está intimamente relacionado com o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis. Devido à grande importância do nível de glicose materno como um fator determinante do peso do recém-nascido, genes que alteram a homeostase da glicose são bons candidatos a genes que influenciam o crescimento do feto e, consequentemente, o peso ao nascer. Para verificar a influência de variantes genéticas maternas no peso do bebê, foram analisados três polimorfismos relacionados ao metabolismo da glicose (GCK rs1799884, TCF7L2 rs7903146 e LEPR rs1137101) em 250 amostras de gestantes participantes de uma coorte prospectiva de Santo Antônio de Jesus – BA, Brasil, por meio da utilização dos ensaios TaqMan® e a técnica de Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) em Tempo Real. Os genótipos das amostras foram correlacionados com os resultados obstétricos e os dados clínicos, antropométricos e hábitos de vida da mãe. Não foi encontrada uma associação significativa direta dos polimorfismos maternos com o peso do bebê. Esse resultado pode ser fruto de particularidades amostrais, principalmente no que se refere a etnia, uma vez que 84% das gestantes analisadas são negras ou pardas. Foi possível verificar uma associação significativa (p<0,05) entre o peso ao nascer e as variáveis sexo, IMC materno e idade gestacional para todos os três polimorfismos. Ademais, houve associações entre os genótipos maternos do polimorfismo LEPR rs1137101 com a idade gestacional (p=0,037) e a ingestão de bebida alcoólica (p=0,04). Esses resultados sugerem que outros fatores, sejam ambientais ou genéticos, estão mais relacionados ao peso do bebê ao nascer do que variantes genéticas maternas que são associadas ao metabolismo da glicose.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900