Resposta a Estresses Consecutivos em Saccharomyces Cerevisiae

Nome: Ane Catarine Tosi Costa
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 09/03/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
A. Alberto R. Fernandes (M/D) Co-orientador
Patricia Machado Bueno Fernandes (M/D) Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
A. Alberto R. Fernandes (M/D) Coorientador
Alexandre Martins Costa Santos Examinador Externo
Jose Aires Ventura (M/D) Examinador Interno
Patricia Machado Bueno Fernandes (M/D) Orientador

Resumo: A levedura Saccharomyces cerevisiae desempenha um papel importante na indústria, devido a sua alta capacidade fermentativa. Durante a fermentação há mudanças constantes nas condições do meio, expondo as leveduras a uma série de estresses simultâneos ou sequenciais e uma adaptação eficiente pode levar a aumento da produtividade e um consequente aperfeiçoamento do seu desempenho fermentativo. Em S. cerevisiae, a adaptação envolve uma mobilização organizada de genes denominada resposta ao estresse ambiental (ESR). Hsp12 é uma proteína pertencente a famílias das proteínas de choque térmico (HSPs) e esta, além de manter a organização interna da célula e aumentar a flexibilidade da parede celular e membrana plasmática, é utilizada como gene repórter de estresse, pois sua indução é em grande parte através da ESR já sendo utilizada como um marcador do status de estresse em leveduras. Assim o presente trabalho delineou um protocolo de estudos de estresses consecutivos afim de avaliar modificações morfológicas e produção da proteína Hsp12 em S.cerevisiae. Os resultados mostraram uma variação semelhante de tamanho das células-mães e filhas nos estresses sucessivos comparada ao crescimento dessas células em meio sem adição de estresses. A parada no ciclo celular também foi uma característica observada em ambas as células em estresses consecutivos. A produção de Hsp12 foi maior em resposta ao estresse osmótico comparado aos estresses oxidativo e alcoólico nos tratamentos isolados, mas a concentração desta proteína nos dois últimos foi aumentada quando a célula foi exposta aos estresses consecutivos. Esse aumento pode ser justificado pela proteção cruzada da célula adquirida após o contato com uma solução com alta osmolaridade. A diferença nos resultados da resposta a estresses isolados e sucessivos constata que esta metodologia é mais eficaz para entender o comportamento da célula, pois se assemelha ao ambiente nas dornas de fermentação.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900