CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA DE FUSARIUM GUTTIFORME E FUSARIUM
ANANATUM PATÓGENOS DO ABACAXIZEIRO

Nome: Raíssa Debacker Moura
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 09/03/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Jose Aires Ventura (M/D) Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
A. Alberto R. Fernandes (M/D) Coorientador
Adalberto Corrêa Café Filho Examinador Externo
Jose Aires Ventura (M/D) Orientador
Patricia Machado Bueno Fernandes (M/D) Examinador Interno

Resumo: Fusarium ananatum e Fusarium guttiforme são, respectivamente, os agentes
etiológicos da mancha negra e da fusariose, importantes doenças da cultura do
abacaxi. As duas espécies de fungos são morfologicamente muito semelhantes mas
distintas geneticamente. Este trabalho teve como objetivo identificar e caracterizar
marcadores fenotípicos que possam ser utilizados pelos serviços fitossanitários do
Brasil e de outros países produtores de abacaxi, para identificação dos agentes
etiológicos da fusariose e da mancha negra. Foram desenvolvidos estudos para
caracterizar in vitro ambas as espécies em diferentes temperaturas e meios de cultura,
além de caracterizar e identificar novos marcadores fenotípicos. A temperatura ideal
para o desenvolvimento das espécies foi de 25°C, e, também, a maior produção de
macroconídios foi no meio de cultura Meio Basal com Carboximetilcelulose (BM+CMC)
que obteve a produção de 3,2x10 5 macroconídios/ml e 1,8x10 5 macroconídios/ml para
F. ananatum e F. guttiforme, respectivamente. Por sua vez, para o desenvolvimento de
microconídios, o meio de cultura Nutriente Sintético Ágar (SNA) foi o melhor,
desenvolvendo 1,1x10 7 microconídios/ml e 0,7x10 7 microconídios/ml para F. guttiforme
e F. ananatum, respectivamente. Utilizando a microscopia de fluorescência foi possível
observar que 78,5% dos microconídios de F. ananatum apresentam 1 septo, e somente
8,5% dos microconídios de F. guttiforme apresentam esta característica, sendo uma
nova recomendação para a taxonomia das espécies. Na microscopia de força atômica
foram encontradas protuberâncias na parede celular de F. guttiforme e ausência das
mesmas em F. ananatum, podendo ser caracterizado assim como um novo marcador
morfológico importante para a taxonomia. Adicionalmente, o uso da citometria de fluxo
possibilitou a caracterização da distribuição dos núcleos nas espécies, o qual
estabelece microconídios uninucleados e macroconídios multinucleados. Sendo que a
presença de vários núcleos nos macroconídios pode estar relacionada à quantidade de
septos encontrada em sua estrutura. Os novos marcadores fenotípicos contribuem para
a taxonomia dos patógenos e viabiliza novas estratégias na identificação dos agentes
etiológicos destas doenças.
Palavras Chave: Taxonomia. Fungos. Ananas comosus. Microscopia. Citometria.
Biotecnologia.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900